Skip to content


CCS Sandbox

Sempre que preciso mexer nos temas dos blogs ( blog.edermarques.net e administrando.net) é um Deus nos acuda. Se não fosse uma alma caridosa chamada Virgínia, eu estaria perdido.

Me peça para programar em Assembler, cozinhar um ovo no espeto, criar um plano de marketing ou mesmo criar um drink com três cores diferentes que eu desenrolo. Agora falou em arte gráfica e webdesign, é o caos.

Pense no sorriso quando, ao atualizar meus feeds, vi que o aurélio havia lançado um aplicativo onde você pode futricar até encontrar a formatação ideal, e que te gera o código resultante?

Trata-se do CSS Sandbox, que já faz sucesso na rede. Eu e meus amigos designers (que serão menos importunados por mim a partir de agora, hehehe) agradecemos. 🙂

Posted in Aplicativos.

Tagged with , .


Bope geek

Essa eu vi no teoria glacial. Para você que é fã do Capitão Nascimento, mas prefere um sabre de luz à metralhadoras automáticas, pistolas e facas.

bope: lightsaber na caveira

A coisa mais geek (e legal) que eu vi essa semana. 🙂

À venda na nerdstore.

Posted in Geek.

Tagged with .


Ciclo de Debates Conhecimento e Cultura Livres

Uma grande oportunidade para discussão do palimpsesto digital sobre o qual escrevi no post anterior acontece em Fortaleza nos dias 12, 13 e 14 e 19, 20 e 21 de novembro no mercado dos pinhões a partir das 18h.

Trata-se do Ciclo de Debates Conhecimento e Cultura Livres. Segundo o site do evento, nas atividades e mesas do evento estarão presentes professores, acadêmicos e especialistas nas áreas de cinemas, produção audiovisual, música e teatro, bem como performers, atores, atrizes, músicos, dançarinos e artistas plásticos.

Ciclo de Debates Conhecimentos e Culturas Livres

O pessoal da organização está bem engajado. A idéia é magnifica: colocar em um mesmo ambiente artistas de todos os tipos, críticos e entusiastas, e promover a troca de experiências e interatividade.

O evento aproveita-se das novas tecnologias para aumentar ainda mais a circulação do conteúdo produzido, como transmissão pela internet e voip e rede sem fio liberados no local. Para quem deseja fazer uma cobertura alternativa, um prato cheio. Confira os links.


http://giss.tv:8000/culturalivre.ogg.m3u
[vídeo]
http://giss.tv:8000/culturalivretv.ogg.m3u

Outra opção é ver em:
http://streaming.culturalivre.org

Posted in Eventos, Software Livre.

Tagged with , , .


Palimpsesto digital

Palimpsesto

Há pouco mais de uma década, praticamente toda a produção cultural estava concentrada nas mãos da grande mídia. As únicas fontes de consulta disponíveis eram jornais, televisão e revistas, que muitas vezes se utilizaram deste monopólio para apresentar os fatos de acordo com seus interesses econômicos, sem nenhuma preocupação com a veracidade da afirmações fornecidas.
A maioria dos veículos era impresso, e devido às imposições desta tecnologia, seu acesso e facilidade de uso era limitado.

Com o passar do tempo e o advento da internet, este panorama mudou, embora o controle da informação ainda estivesse nas mãos dos grandes grupos de mídia. Grandes portais transportaram para o mundo digital as verdades já propagadas na mídia tradicional. A informação, contudo, continuava subjugada.

E então a revolução aconteceu. Os blogs, podcasts, sites de vídeos e de relacionamento modificaram intrinsecamente a maneira de produzir informação.

Temos conteúdo produzido e imediatamente circulando através de posts e trackbacks, emails e pingbacks, em velocidades assustadoras.

Como um palimpsesto gigantesco, na íntegra, modificada ou reescrita, notícias vão e vem, fatos são revistos, novas versões adicionadas, múltiplas opiniões contrastadas.

A manipulação dos grupos dominantes sofreu um baque gigantesco, que já não têm em suas doses homeopáticas e de validade questionável o alicerce da verdade atribuído pelo grande público.

O efeito de licenças livres, como a gnu fdl ou algumas licenças creative commons, alavanca ainda mais este movimento. Tais licenças permitem a alteração e redistribuição de conteúdo, possibilitando que talentos muitas vezes afastados do grande público possam cair nos braços desses.

O artista rompe os grilhões das gravadoras e libera o seu álbum digital. O escritor desconhecido transforma seus artigos em febre virtual. O produtor de filmes amador pode divulgar seu trabalho para milhões de usuários, sem precisar pagar por espaço na TV. Tudo isso ao alcance de poucos clicks. E no final das contas, todos ganham em conhecimento.

Edite, reescreva, mude. Comente, modifique, compartilhe. Faça parte deste grande palimpsesto digital!

Posted in Comunidade.

Tagged with , , .


Relato do lançamento do PDTI

Conforme divulgamos em um post anterior, a Prefeitura de Fortaleza realizaria um evento para lançamento de seu Plano Diretor de Tecnologia da Informação na última quinta e sexta-feira.

Por ter participado como Assessor Técnico da SEFIN no desenvolvimento do PDTI, e por ser um tema de grande interesse para a comunidade de Software Livre (o PDTI foi totalmente focado em SL), estive presente na cerimônia, que ocorreu no auditório da FIC.

Foi uma oportunidade para rever alguns amigos, como o Silveira Neto, Marcelo Cavalcante, Alexandre Menezes e o Marcelo Branco, que abriu o evento com a palestra “Sociedade em Rede”.

Muita coisa boa foi divulgada:

  • Este ano serão capacitados dois mil servidores, e mais mil servidores ano que vem, através do pingüim-ônibus.
  • Em todas as licitações realizadas, está se exigindo código-fonte e repasse de tecnologia.
  • Os próximos programas a serem desenvolvidos pela Prefeitura terão seu código fonte disponibilizado sobre a GPL, a começar pelo sistema de controle urbano e de meio ambiente, que segundo a PmF talvez esteja sendo lançado no FISL.
  • Editais e iniciativas envolvendo cultura estão sendo promovidos através de licenças Creative Commons.

Na sexta-feira tivemos apresentações focadas. Gisele Oliveira falou sobre SL para Empresas. Vicente Aguiar abordou o desenvolvimento de Cooperativas de SL, mostrando a experiência da Colivre. Foram palestras boas. A Prefeitura pecou na divulgação tardia do evento, o que fez com que o público fosse baixo.

O PDTI segue com a elaboração do documento final, que deverá estar disponível sobre alguma licença livre na Internet.

Caso tenha alguma sugestão para o PDTI deixe o seu comentário, e aproveite para ler também o relato do Silveira Neto sobre o primeiro dia de evento.

Posted in Software Livre.

Tagged with , , , .


Lançamento do Plano Diretor de Tecnologia da Informação da Prefeitura de Fortaleza

atualização: O PDTI foi liberado na internet. Confira aqui.

Após 4 meses de trabalho, hoje dia 08 de Novembro será lançado no Auditório da FIEC, as 18:00, o Plano Diretor de Tecnologia da Informação da Prefeitura Municipal de Fortaleza, elaborado pela empresa gaúcha Propus.

Totalmente focado em Software Livre, com ampla consulta a vários segmentos do setor (comunitário, acadêmico, empresarial, governamental, etc), tal documento constitui-se em um marco para a Administração Pública municipal. Sempre fui e continuo sendo bastante crítico quanto a questão do Software Livre na prefeitura, mas nem por isso deixo de tirar o chapéu para as iniciativas que estão ocorrendo e que irão ocorrer. Fortaleza Livre

Prova disso são as notícias anteriores sobre os projetos em andamento na capital da terra da luz, sobre a capacitação de servidores em Software Livre que está sendo feita em toda a prefeitura, e divulgação em primeira mão do ‘gnu-bus’, a unidade-móvel de treinamento (confira as fotos) que funciona a base de Software Livre (e diesel)  🙂

Para quem deseja assistir ao evento, a FIEC fica à Av. Barão de Studart, 1980 –Aldeota.

As atividades continuam na sexta-feira, à partir das 08:00 com palestras e mesas redondas.

Para maiores detalhes, visite o site da prefeitura.

Posted in Varios.

Tagged with , , .


Fazendo faxina com o dpkg: removendo arquivos desnecessários

Geralmente utilizo a opção ‘remove’ do aptitude para remover pacotes. Isso me dá o benefício de poder checar se os arquivos de configuração e/ou de dados do pacote em questão serão úteis ou não, antes de me livrar deles.

Acontece que com o passar do tempo estes arquivos – a maioria desnecessários – vão se acumulando no sistema, sem que eu verifique-os.

No meu caso, eram mais de 50 pacotes no estado rc (removido pelo usuário, mas com os arquivos de configuração ainda no sistema):

frolic@shakira:~$ dpkg –list | grep ^rc
rc  binfmt-support                    1.2.10                           Support for extra binary formats
rc  cupsys-driver-gutenprint    5.0.0-3                          printer drivers for CUPS
rc  freeglut3                              2.4.0-5                         OpenGL Utility Toolkit
rc  gaim-data                            1:2.0.0+beta5-11          multi-protocol instant messaging client – data fil

Após checar a lista, vi que não precisava de nenhum destes arquivos, então pude me livrar de todos com o comando:

shakira:~#dpkg –list | grep ^rc | awk ‘{print $2}’ | xargs dpkg -P
Removendo binfmt-support …
Apagando arquivos de configuração de binfmt-support …
Removendo cupsys-driver-gutenprint …
Apagando arquivos de configuração de cupsys-driver-gutenprint …

Dica rápida e útil. Caso você conheça algum outro truque com o dpkg, deixe o seu comentário. 🙂

Posted in Debian.


Entenda como funciona o ciclo de vida de pacotes no Debian

Continuando com os estudos sobre o Debian, encontrei o seguinte diagrama, que explica o ciclo de vida de um pacote:

ciclo de vida de um pacote Debian

Um pacote chega ao repositório estável basicamente por três caminhos:

  • via security updates, fornecidas pelo time de segurança ;
  • via proposed updates, aprovadas manualmente pelo Release Manager;
  • via congelamento (frozen) do repositório testing.

Este último é o maior ciclo de todos. Um DD envia um pacote para o repositório incoming. Uma série de scripts  se encarregará de analisá-lo. Os build daemons são notificados e geram os pacotes para as demais arquiteturas. Diariamente, um aplicativo chamado dinstall move os pacotes disponíveis no repositório incoming para o diretório apropriado no pool. E assim os pacotes tornam-se disponíveis via apt no repositório unstable.

Do unstable, dependendo da criticidade do pacote, ele irá passar de 0 a 10 dias no unstable antes de ser considerado apto para a testing. A partir de então, novas exigências são feitas para que ele efetivamente seja movido para o repositório testing.

Finalmente,  seguindo o ciclo de lançamento, o RM congela o repositório testing. A partir de então, nenhum pacote de novos aplicativos entra. São corrigidos os bugs RC, e quando estiver tudo pronto, os pacotes são movidos para a stable, e uma nova versão é lançada.

Posted in Debian.


Proprietária ou não: qual a fonte utilizada nos logotipos do Debian?

Em um comentário no post anterior sobre a origem dos logotipos do projeto Debian, meu amigo baiano Valessio questionou sobre a fonte utilizada na criação deles.

Este é um tema recorrente e que já despertou a atenção dos desenvolvedores há algum tempo atrás.Na wiki do projeto Debian podemos encontrar a informação correta.

Para a surpresa de alguns, a fonte utilizada é proprietária. Chama-se Laudatio Condensed e foi criada por Friedrich Poppl em 1982. O conjunto, com 12 estilos, custa 99 dólares.

Fonte utilizada nos logotipos do Debian

Para quem procura uma alternativa, uma fonte free semelhante chamada LaudatioC pode ser usada como substituta. sem maiores diferenças.

LaudatioC

Para quem deseja apenas o nome Debian em formato editável, uma versão vetorizada feita pelo si0ux pode ser encontrada no debianart.org.

Posted in Debian.


Quem criou o símbolo do Debian?

Creio que a maioria dos leitores conhecem os dois logos do projeto Debian.

Existe um logo de uso aberto, que pode ser usado por qualquer um para se referir ao projeto Debian, mas não indica endosso pelo projeto.

Debian - Logo de uso aberto

Há também um logo oficial, que possui algumas restrições:

  • Só pode ser usado se o produto em que for utilizado é feito usando um procedimento documentado conforme publicado em www.debian.org (por exemplo a criação de CDs oficiais) ou se for fornecida aprovação oficial pelo Debian para o seu uso neste propósito.
  • Pode ser utilizado se uma parte oficial do Debian (decidido usando as regras em I) é parte do produto completo, se estiver claro que somente esta parte é aprovada oficialmente
  • O projeto Debian se reserva o direito de revogar uma licença para um produto

Debian official logo

O seu uso também foi permitido em roupas (camisetas, bonés, etc) contanto que sejam feitas por um desenvolvedor Debian e não vendidas para obter lucro.

Mas você sabe quem criou tais logotipos?

Após uma busca entre livros, wikis e históricos de lista de discussão, eis que encontrei a resposta. Os logos foram criados por Raul M. Silva, como parte de um concurso realizado em 1999 e emcabeçado pelo GIMP, seguido de uma votação entre os desenvolvedores . Entre as opções estavam uma formiga, uma foca e até uma galinha:

antsswirlsealold logofixed chickenDG

Em 26 de Agosto de 1999, o Debian anunciou ao mundo que havia escolhido a swirl para ser o seu novo logotipo. Por ter ganhado, Raul recebeu um email debian.org e um CD com a última versão lançada. A escolha feita me agrada. E você, teria achado melhor outro logotipo? Deixe seu comentário.

Posted in Debian.