Skip to content


The Zen of Python

Beautiful is better than ugly.
Explicit is better than implicit.
Simple is better than complex.
Complex is better than complicated.
Flat is better than nested.
Sparse is better than dense.
Readability counts.
Special cases aren’t special enough to break the rules.
Although practicality beats purity.
Errors should never pass silently.
Unless explicitly silenced.
In the face of ambiguity, refuse the temptation to guess.
There should be one– and preferably only one –obvious way to do it.
Although that way may not be obvious at first unless you’re Dutch.
Now is better than never.
Although never is often better than *right* now.
If the implementation is hard to explain, it’s a bad idea.
If the implementation is easy to explain, it may be a good idea.
Namespaces are one honking great idea — let’s do more of those!

Retirado de Python Enhancement Proposals (PEPs): The Zen of Python

Hoje voltei a programar em python. Precisava de inspiração. 🙂

Posted in Software Livre.

Tagged with .


O primeiro bug de 2008

Ou pelo menos o primeiro que abri este ano. 🙂

Já buscando desde Janeiro cumprir as metas para 2008, comecei hoje um trabalho de housekeeping no Time de Tradução do Debian (l10n portuguese).

O pacote da vez foi o openldap. A tradução foi enviada hoje e provavelmente será aplicada ao pacote até Sábado pelo desenvolvedor.

Se você também gosta do Debian e sabe um pouco de inglês, inscreva-se em nossa lista de discussão e participe. Ajude a continuar fazendo dele o Sistema Operacional Universal!

Debian Girl
Quem disse que Debian é coisa apenas de nerd fei?

Posted in Debian.

Tagged with , .


Tilda: uma alternativa ao yakuake para o gnome

Nas minhas instalações do kde, o yakuake tem um lugar reservado. Esse pequeno programa que fornece um terminal a la Quake é muito útil, e já faz parte do meu dia-a-dia.

Como resolvi utilizar em 2008 o gnome em meu notebook, tive que ir atrás de um substituto a altura. Foi então que conheci o tilda. Disponível no Debian (etch em diante), basta um simples aptitude install tilda e pronto.

Ao iniciar o programa pela primeira vez, ele exibirá uma janela para configuração semelhante a da figura abaixo:

Tilda

Nela você poderá configurar vários aspectos da aparência, como posicionamento, tamanho, cor, etc.

Vale a pena conferir.

Posted in Software Livre.

Tagged with , .


Meu primeiro plugin para o Nessus

Depois de alguns contratempos e um par de mensagens na lista plugins-writers, consegui colocar para funcionar o meu primeiro plugin para o Nessus!

Fazia algum tempo que não utilizava esse excelente scanner de vulnerabilidades. Resolvi instalar a versão mais atual (3.0.6), e daí a começar a brincar com a Nessus Attack Scripting Language – NASL – foi um pulo. A linguagem é parecida com Ce já possui uma série de bibliotecas e funções prontas para uso, e com ótimo suporte à expressões regulares.

Criei um script que checa se o servidor apache2 está fornecendo mais informações do que deveria. Por exemplo, a instalação padrão no etch forneceria as seguintes informações:

#lynx -dump -head http://alvo.com.br | grep Server
Server: Apache/2.2.3 (Debian) PHP/5.2.0-8+etch7

Dessa forma já saberíamos qual a versão do apache, qual o S.O, e a versão do php instalada. Isso diminui drasticamente o número de exploits que um possível invasor teria que testar.

Um servidor bem configurado deveria exibir pouquíssimas informações:

lynx -dump -head http://alvo.com.br | grep Server
Server: Apache

Seria um gnu/linux? Um BSD? Windows? E qual versão? Teria php habilitado?

Nessus plugin

Você pode baixar o plugin aqui. Basta adicioná-lo na pasta de plugins do nessus (/opt/nessus/lib/nessus/plugins/), e iniciar o nessusd com a opção -t, para que ele reescaneie a pasta (nessusd -t -D).

Pretendo criar alguns plugins para checar minha rede interna, mas vou publicando-os aqui a medida que estiverem disponíveis, até porque os mesmos são licenciados sobre GPL.  🙂

Posted in Segurança, Software Livre.

Tagged with , , .


Novos videos da campanha antispam do CGI.BR

Recebi um email do Cert.br informando sobre dois novos vídeos educacionais da campanha antispam do Comitê Gestor da Internet no Brasil (cgi.br). Os dois primeiros vídeos, que já havíamos mencionado aqui, trataram sobre o funcionamento da internet e os riscos aos quais os computadores estão submetidos. Com um pouco mais que seis minutos cada, tais vídeos abordam, com uma linguagem fácil e animações divertidas, os principais problemas que um usuário padrão encontra em sua vida online.

Spam A defesa

O terceiro vídeo chama-se Spam e mostra desde a origem desta palavra até os tipos mais atuais de lixo virtual, como spim (Spam via instant messenger) e até mesmo spit (spam via telefonia ip).

Já o quarto vídeo, A Defesa, mostra a importância da proteção na internet, com o uso de firewall pessoais, antivirus e sistemas antispam. Também alerta ao usuário sobre a questão da atualização dos programas: de nada adianta um antivirus se ele está desatualizado. É até pior, pois dá uma falsa sensação de segurança. Além disso, dá algumas dicas sobre privacidade na internet e melhores práticas de navegação.

 

Os vídeos estão disponíveis no formato wmv e mov, mas infelizmente em nenhum formato livre. Além disso, são três resoluções diferentes para download: 320×240, 480×360 e 640×480.

Já enviei um email ao grupo de trabalho antispam do CGI.br sugerindo que eles também liberem tais vídeos em ogg theora. Aproveite e também faça esta sugestão.

Posted in Segurança.

Tagged with , .


Lançada nova versão da Debian Policy

De acordo com a mensagem publicada por Russ Allbery na lista debian-devel-announce, está disponível uma nova atualização da Debian Policy.

A Debian Policy descreve os procedimentos necessários para o trabalho no Debian, incluindo a estrutura e o conteúdo do repositório, design e procedimentos técnicos que cada pacote deve  satisfazer para ser incluído na distribuição.

Posted in Debian.

Tagged with .


Cowsay: por que esse povo gosta tanto de vaca?

Finalizando essa seqüência de posts estranhos sobre bovinos e Software Livre, encontrei mais um programa que faz apologia as vaqunhas. Falar em vaca lembrei até do famoso Cult of the dead Cow.

Pois bem, existe um programa chamado cowsay. Escrito em perl por Tony Monroe, que provavelmente é mais um fã dos ruminantes, este aplicativo faz coisas com ascii-art.

Coisas legais:

ederm@jennifer:~$ cowsay -f tux Adoro esse blog!

 __________________
< Adoro esse blog! >
------------------
   \
    \
        .--.
       |o_o |
       |:_/ |
      //   \ \
     (|     | )
    /'\_   _/`\
    \___)=(___/(era pra ser um pinguim)

E coisas bem estranhas:

ederm@jennifer:~$ cowsay -f sodomized Ande tonha!
_____________
< Ande tonha! >
-------------
     \                _
      \              (_)
        \   ^__^       / \
         \  (oo)\_____/_\ \
            (__)\       ) /
                ||----w ((
                ||     ||>>(que tipo de mente insana criaria isso???)

Entre as opções disponíveis estão:

apt, beavis.zen, bong, bud-frogs, bunny, cheese, cower, daemon, default, dragon, dragon-and-cow, elephant, elephant-in-snake, eyes, flaming-sheep, ghostbusters, head-in, hellokitty, kiss, kitty, koala, kosh, luke-koala, mech-and-cow, meow, milk, moofasa, moose, mutilated, ren, satanic, sheep, skeleton, small, sodomized, sodomized-sheep, stegosaurus, stimpy, supermilker, surgery, telebears, three-eyes, turkey, turtle, tux, udder, vader, vader-koala, www.

Nossa equipe, após longa busca no google/orkut/maps/beco da poeira/ conseguiu uma foto do autor, quando tinha 3 anos:

Por favor, vaquinha não!!!!

Vaquinha não! Vocês irão me pagar por terem feito isso comigo!

Façam um bem a humanidade. Não coloquem seus filhos em situações ridículas. Eles irão crescer e se vingar.

Além disso, se você conseguir encontrar alguma utilidade para esse programa (ou até mesmo para esse post), deixe seu comentário!

Posted in Aplicativos, Debian, Software Livre.

Tagged with , , .


Ovo da páscoa no aptitude

No post passado vimos o ovo da páscoa no apt. Embora o aptitude diga que não tem poderes de Super Vaca, ele esconde sim um bovino em suas entranhas.

Mas você precisa insistir para descobrir:

m0204:/home/ederm# aptitude moo
Não existem Ovos de Páscoa neste programa.
m0204:/home/ederm# aptitude moo -v
Realmente não existem Ovos de Páscoa neste programa.

m0204:/home/ederm# aptitude moo -vv
Eu já não lhe disse que não existem Ovos de Páscoa neste programa ?

m0204:/home/ederm# aptitude moo -vvv
Pare com isso !

m0204:/home/ederm# aptitude moo -vvvv
Ok, ok, se eu lhe der um Ovo de Páscoa você irá embora?

m0204:/home/ederm# aptitude moo -vvvvv
Tudo bem, você ganhou.
                               /----\
                       -------/      \
                      /               \
                     /                |
   -----------------/                  --------\
   ----------------------------------------------

m0204:/home/ederm# aptitude moo -vvvvvv
O que é isso? Isso é um elefante sendo comido por uma cobra, é claro.

Hehehehehe

Fico intrigado de ser mais um ovo da páscoa com vacas. Será o criador do apt indiano?

Posted in Aplicativos, Debian, Software Livre.

Tagged with , , .


apt-get moo

m0204:/home/ederm# apt-get moo

         (__)
         (oo)
   /------\/
  / |    ||
 *  /\---/\
    ~~   ~~
...."Have you mooed today?"...

Pra eu não me esquecer dos ovos da páscoa contidos no Debian. 🙂

Só não entendo essa tara por vacas, mas tudo bem.

Posted in Aplicativos, Debian, Software Livre.

Tagged with , , .


Prefeitura de Fortaleza lança Plano Diretor de Geoprocessamento, sob Creative Commons

Dando prosseguimento com suas iniciativas na área de Software Livre, a Prefeitura de Fortaleza acaba de lançar seu Plano Diretor de Geoprocessamento (PDGeo). Financiado pelo PNAFM, o projeto demorou mais saiu do papel.

O PDGeo busca identificar as demandas relacionadas ao Geoprocessamento no âmbito da Prefeitura Municipal de Fortaleza, tendo como principal enfoque um projeto corporativo que possibilitasse a integração de todas as bases de dados municipais através de um Banco de Dados Geográfico.

Havíamos comentado em nosso relato sobre o evento de conclusão do PDTI que toda a documentação de projetos seria divulgada sobre uma licença Creative Commons. Fico feliz que a Prefeitura tenha cumprido sua promessa: o PDGeo está disponível para download, através da licença Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5.
Segundo a equipe que trabalhou no projeto, trata-se de um trabalho inédito, já que os demais PDGeos disponíveis se limitam às aplicações proprietárias e ignoram completamente os padrões abertos.

Baixe uma cópia do documento clicando aqui.

Posted in Software Livre.

Tagged with , , .